Aditivos | Adoçantes | Alimentos funcionais |  Amidos | Análises | Aromas | Aves  | Bebidas | Carnes | Cereais | Cromatografia | Embalagens | Extrusão | Frutas e Hortaliças | Geoprocessamento | Gomas | Laboratórios | Laticínios | Legislação | Massas | Microbiologia |Óleos e Gorduras | Panificação | Pescados | Rações | Reciclagem | Reologia | Saúde | HACCP | GMP | 

Home
Acima
Cotação
Anunciar no site
Desenvolver Projetos
Site Map

 

 

 
 
 
 

Rotulagem ambiental

Os estudos de qualidade ambiental tiveram origem em 1971, quando a ISO constituiu três Comitês Técnicos (TC – Tecnical Comittees), atendendo a pressões de ambientalistas de todo o mundo e às novas exigências de comercialização.

A partir de 1978 surgiram os Selos Verdes para indicar os produtos ambientalmente sustentáveis e a indústria sentiu a necessidade de se preparar para processos de gestão análogos.

Grandes instituições, em vários países, começaram, então, a elaborar normas para padronizar a concessão de selos, aumentando a confiabilidade e a legitimidade dos processos de produção utilizados pelas indústrias aprovadas.

Mais de 30 países já possuem esquemas de rotulagem ambiental, os chamados selos verdes. Só na Alemanha, mais de 25 mil produtos já foram submetidos aos processos de avaliação de qualidade ambiental, recebendo o selo "Anjo Azul", o primeiro a ser instituído em 1978 (o selo Anjo Azul tem validade de quatro anos e conforme a tecnologia avança, seus critérios vão ficando mais rígidos). Depois o Canadá, em 1988 instituiu o selo "Opção Ambiental". Os países nórdicos adotaram o "Cisne Branco", também em 1988, o Japão criou o "Eco-Mark", em 1989, e os EUA o "Selo Verde" em 1990. Outros países, como a França, Índia, Coréia e Cingapura seguiram o mesmo caminho.

Uma pesquisa de 1992, feita nos Estados Unidos e Canadá, revelou  que cerca de 70% dos consumidores declararam-se dispostos a pagar mais por produtos considerados ambientalmente sustentáveis. Outra pesquisa, realizada na Alemanha, em 1993, revela que, de dois mil entrevistados, 88% sabiam o que representava o “Anjo Azul”, dois terços estavam dispostos a pagar mais por produtos que efetivamente protegessem o meio ambiente e 57% preferiam comprar produtos com selo verde.

 

Acima ]

 

 

 

 Clique aqui para desenvolver seus projetos com o setor1